Projeto De Olho no Futuro entra na reta final das triagens

A primeira etapa do projeto De Olho no Futuro deve ser finalizada no mês de maio. Ao todo 12 equipes, formadas por professores e acadêmicos de Medicina, Enfermagem e Farmácia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), se dividem entre 15 escolas municipais e nove estaduais do sistema de ensino público de Sinop (MT), para examinarem cerca de 2 mil alunos matriculados no primeiro ano das instituições, como explica o coordenador Mario Sugizaki. 

“Cada equipe tem em média oito acadêmicos e um professor monitorando. Os agendamentos nas escolas são feitos pelos professores. A triagem oftalmológica é composta de um exame clinico inicial, no qual se observam alguns sinais como vermelhidão, coceira, conjuntivite, secreção, dor de cabeça e o exame de vista, usando o quadro de Snellen”, complementa Sugizaki. 

Após a triagem, os estudantes que apresentarem algum tipo de problema na visão serão encaminhados às consultas com médicos oftalmologistas. Os atendimentos serão realizados no dia 12 de junho, das 07h às 17h, no Hospital e Maternidade Dois Pinheiros. A expectativa é de que 400 crianças sejam encaminhadas para esta segunda fase do projeto. 

Na edição do ano passado, os alunos atendidos apresentaram doenças como miopia, hipermetropia, astigmatismo e outras queixas variadas relacionadas a estrabismo, ambliopia (anisometropica) e catarata congênita. Foram diagnosticadas ainda crianças com visão subnormal devido a toxoplasmose congênita ocular, conjuntivite alérgica e blefarite, como informa o médico oftalmologista e coordenador do projeto, Douglas Yanai. 

“Muitos alunos sofrem com dificuldade de aprendizagem por vários anos sem saber que o problema está na visão. Em geral é na idade escolar que esses problemas são detectados, mas isso requer também atenção dos pais a determinados sinais e dos professores. Reclamações de dores de cabeça constantes, tonturas, sensibilidade excessiva à luz, esfregar ou apertar os olhos frequentemente são alguns dos sintomas de que algo pode estar errado. É recomendável que os pais levem seus filhos a um oftalmologista a partir dos três anos de idade para que haja um acompanhamento continuo do desenvolvimento da visão”, esclarece o médico.

Depois da avaliação médica, os alunos que necessitarem devem receber a doação de óculos. 

O projeto De Olho no Futuro é idealizado pela UFMT e diretoria do Hospital e Maternidade Dois Pinheiros. São parceiros do projeto Casa da Amizade, Unimed, Unicred, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Municipal de Saúde e BW Comunica.

O apoio é da Nilson Jóias.

0000-00-00 00:00:00 | Nara Vendrame/BW Comunica